EXU MIRIM: AS CRIANÇAS ESQUECIDAS

20/03/2013 16:04

 

Exu Mirim é uma falange de espíritos que, apesar de inseridos como trabalhadores da Corrente Astral de Umbanda, ao longo dos anos, foram colocados do lado de fora dos Terreiros por puro preconceito, devido a falta de conhecimento e da intolerância com "O Diferente". Toda discriminação é fruto da falta de competência para lidar com situações que fogem ao "senso comum". É mais fácil omitir, esconder, ignorar, desprezar do que aceitar, educar, doutrinar. Para isso, seria preciso um mínimo de esforço para aceitar "O outro" em sua essência e buscar um relacionamento saudável. Muitos umbandistas, por não conhecerem e não terem coragem de enfrentar desafios ignoram solenemente esses "meninos rebeldes" da esquerda: Os Exus Mirins.

Exu Mirim é uma falange de espíritos infantis que trabalham na linha dos Exus. São as Crianças da Esquerda e, portanto, trabalham ao lado dos Guardiões. São grandes trabalhadores do astral e por terem a roupagem fluídica e o mental de crianças apresentam características da personalidade infantil ainda em processo de doutrinação. Os Ibejis são aquelas crianças que todos queriam como filhos, pois são dóceis, amorosas, inocentes. Os Exus Mirins seriam os avessos, ou seja, filhos rebeldes, questionadores e difíceis de conviver. São os trabalhadores de Umbanda que muitos terreiros escondem ou deixam do lado de fora por não saberem como lidar com eles. Mas Exu, que é sábio e conhece a fundo os Mirins, sabe que o trabalho desses "Exuzinhos" é imprescindível na corrente astral de Umbanda. Por isso acolheu esses espíritos em sua linha, e trabalha lado a lado com esses grandes "Pequenos Guardiões". Exu Mirim é a criança que precisamos doutrinar e amar. Cabe ao médium conhecer e saber trabalhar com essa vibratória, doutrinando e nunca permitindo se influenciar pelo mental poderoso dos Mirins. O Médium deve agir como um tutor que precisa ser muitas vezes rígido e nunca se desequilibrar mentalmente quando estiver trabalhando com esses espíritos. Muitas das façanhas de Exu Mirim se devem ao comportamento do médium. Do mesmo modo que muitos discriminam e julgam os Exus, por desconhecerem que os excessos cometidos por essas entidades partem muito mais do médium do que propriamente desses guias tão responsáveis e conhecedores do seu papel no astral.   Possuem grande conhecimento de magia e manipulam com maestria os elementais. São frequentemente enviados, pelos Exus, aos submundos do astral como espiões. Sua sagacidade, rapidez e coragemfazem com que possam se infiltrar nas zonas inferiores sem serem percebidos. Quando enviados em missão desagregam e neutralizam trabalhos de baixa magia com a mesma facilidade que plasmam campos de força para a proteção de terreiros ou outros lugares sob a proteção dos Exus. Como quase  não trabalham atuando em um médium, quando chegam aos terreiros demonstram certos hábitos adquiridos no astral, como esconder ou camuflar o rosto. Costume adquirido por frequentemente estarem infiltrados entre os espíritos da baixa espiritualidade. Por raramente estarem interagindo com médiuns, quando estão entre os encarnados se mostram ariscos e desconfiados. No entanto, quando respeitados e bem acolhidos demonstram fidelidade e até mesmo certa afabilidade.

Os Mirins são grandes trabalhadores do astral. Possuem grande conhecimento de magia e manipulam com maestria os elementais. São frequentemente enviados, pelos Exus, aos submundos do astral como espiões. Sua sagacidade, rapidez e coragemfazem com que possam se infiltrar nas zonas inferiores sem serem percebidos. Quando enviados em missão desagregam e neutralizam trabalhos de baixa magia com a mesma facilidade que plasmam campos de força para a proteção de terreiros ou outros lugares sob a proteção dos Exus. Como quase não trabalham atuando em um médium, quando chegam aos terreiros demonstram certos hábitos adquiridos no astral, como esconder ou camuflar o rosto. Costume adquirido por frequentemente estarem infiltrados entre os espíritos da baixa espiritualidade. Por raramente estarem interagindo com médiuns, quando estão entre os encarnados se mostram ariscos e desconfiados. No entanto, quando respeitados e bem acolhidos demonstram fidelidade e até mesmo certa afabilidade.

Os Exus Mirins obedecem à mesma hierarquia que os outros Exus. Não podemos esquecer que apesar de espíritos infantilizados, não deixam de serem EXUS. Trazem no ponto riscado: Os símbolos mágicos condizentes com a linha que trabalham. Os sinais cabalísticos identificam a falange a qual pertencem, o guardião a quem obedecem e o Orixá a quem estão ligados por afinidade. Recebem o "Nome de Guerra" de acordo com sua falange ou com o elemento natural que representam.   Exemplos de Exus-Mirins do fogo, da terra, da água e do ar:

  •      Joãozinho Navalha;

  •      Brasinha;

  •      Foguinho;

  •      Zezinho da Encruzilhada;

  •      Pedrinho do Cemitério;

  •      Mariazinha do Cemitério;

  •      Labareda;

  •      Faísca;

  •      Fagulha;

  •      Caveirinha;

  •      Calunguinha;

  •      Pó de Terra;

  •      Toco de osso;

  •      Toquinho;

  •      Tiquinho;

  •      Ondinha;

  •      Malandrinho;

  •      Maria Caveirinha;

  •      Mariazinha da Calunga;

  •      Corisco;

  •      Barrinha;

  •      Fumaça;

  •      Trovoada;

E tantos outros nomes que se apresentam nos terreiro.

A Umbanda, mãe amorosa que acolhe a todos sem distinção, amparando e guiando um número infinito de espíritos encarnados e desencarnados, não pode abandonar os Mirins a sua própria sorte, condenando ao exílio uma de suas linhas de trabalho mais aguerridas no combate a baixa espiritualidade. Mirim é o olho que tudo vê, depurando e auxiliando os espíritos necessitados. São os "pupilos" de Exu, que os amparou dando-lhes um campo de ação na Lei de Umbanda. Os Mirins vêm resistindo bravamente ao preconceito e descaso com que são tratados, mas não deixam de cumprir o seu papel de "Pequenos Soldados da Lei". Vencendo demanda para filho de fé. Até por aqueles que olham com desprezo e desconfiança os pequeninos Exus trabalhando no terreiro. Para esses, Mirim deixa um recado: "Sou a escuridão da luz e a luz da escuridão. Sou o reflexo da tua alma. Fogo, terra, água e ar. Magia de redenção e perdição. Sou ambíguo. Exu. O menor de todos. Pequenino em minha grandeza. Apenas MIRIM!

Apresentação: Apresenta-se sempre na forma e com roupagem de criança travessa, gostam da cor vermelho e preto.

Campos de força: Encruzas próximas as praias (sempre a primeira vindo da linha da praia para as ruas) encruzas em y e os descampados.

Seu dia: Muito homenageado no dia 06/01 dia de reis.

Seus gostos: Gostam de doces escuros: chocolates, cigarrinhos de chocolates, chocolates com licores por dentro, doces de bananas, teta de nega etc... Também gostam de moedas, e suas bebidas: guaraná com um pouco de conhaque, coca cola com pinga, às vezes acrescentam um pouco de mel nas misturas.

LAROIÊ MIRIM !!!

 

 

Contato

FUCESP - Federação de Umbanda e Candomblé do Estado de São Paulo

CORRESPONDÊNCIA somente para o Escritório em S.Caetano do Sul:
Rua Manoel Coelho, 500 - 12º andar - sala 1.210 - cep: 09510-101 - São Caetano do Sul - SP.

TEMPLO / CURSOS
Alameda Iaiá, 79 - Gopouva - Guarulhos - SP - cep: 07060-000

11 - 9 8495-2098 (TIM)
11 - 9 9937-1770 (VIVO)
11 - 4221-8165 (Pai Salun)